quinta-feira, 30 de julho de 2009

"Ao caír da noite"



"Sentei-me na borda do muro e pensei"

Ao cair da noite, quando as estrelas cintilavam,
quando farrapos de nuvens passavam no céu,
e o ar era frio...
Enquanto o mundo continuava a fervilhar,
sentei-me na borda do muro e pensei;
sobre quem eu era e o que fizia aqui, nesta imensidão,
e Tu ao olhares-me dai, senti medo!!!
Pensei, que como eu, há muitos... sou vulgar,
em como, os sentimentos dos outros,
mexem comigo... sou frágil;
Em como fui ingénuo em pensar que era melhor
que o meu semelhante e cruel senhor da guerra,
da calúnia da hipocrisia e vaidade...
contemplei o firmamento, procurei algo
e dei de caras com aquelas estrelas
que só veem em Agosto, quando o céu brilha
e tudo parece belo como um fogo de artifício...
continuei; sentei-me na borda do muro e pensei!!!
(J.B.)

sexta-feira, 24 de julho de 2009

"Muito mais luz"


"A missão da humanidade na Terra
é bastante complexa!
O homem não tem apenas a responsabilidade
da sua evolução espiritual própria,
também tem em mãos a missão da evolução
espiritual da Terra e da própria humanidade.
É como a Terra que tem dois movimentos,
rotação e translação.
Um movimento em redor dela própria e
um movimento em redor do Sol.
Assim, o homem tem de conjugar dois interesses.
O próprio interesse da sua alma sobre a Terra
e o interesse da humanidade sobre a Terra,
Ser coadjuvante do processo evolutivo
é justamente isso.
Ver o micro sem deixar de olhar o macro.
É um processo dentro-fora,
em baixo-em cima. Dentro e fora de si próprio.
Na Terra e no céu.
Se o homem conseguir esta difícil tarefa de
conjugação de vários interesses diferentes,
sem deixar de priorizar o seu próprio,
vai finalmente ganhar um espaço libertador
na anunciação do novo tempo.
(Excertos dos Livros de Alexandra Solnado)

"Vale a pena"

domingo, 19 de julho de 2009

"O canto da chuva"

video

Hoje,aos primeiros clarões da manhã,
para qualquer lado que me virava,
o céu não tinha termo...
nunca meu olhar foi tão profundo,
hoje vejo a tempestade chegar,lá em cima
nos montes; poderei eu contar as mil gotas
que me virão caír em cima e molhar...
Chuva boa que me vem refrescar
dos calores das lágrimas...
E hoje quem dirá que não é um dia
de chuva?
Só porque o céu está cinzento...
não me faz deixar de pensar azul,
nos instantes bons que vivi,
no futuro incerto que ninguem saberá...
Ah! hoje eu quero deixar que a chuva me molhe,
Hoje eu quero sentir-me nas nuvens,
pois posso flutuar e sonhar...
Hoje quero ouvir os relâmpagos,
ver as gotas contra a luz do arco-íris,
e que meus olhos espalhem raios de alegria
Quero cantar à chuva!!!
(J.B.)

sábado, 11 de julho de 2009

Poema de vida...



PEDRAS NO CAMINHO (Fernando Pessoa)


"Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver
apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e
se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar
um oásis no recôndito da sua alma .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.
Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo..."

Fernando Pessoa

quarta-feira, 1 de julho de 2009

Ai as férias.......



"PARAR E PENSAR"

Férias... é recuperar energias,
é começar de novo.
Ainda não fui, mas não sei se poderei passar
uns dias sem a minha adorada "praia flúvial,
pois é... está na altura de fazer uma escolha.
Há que pôr em ordem a mochila de verão;
os óculos de sol, o leitor mp3,
o livro favorito, a inseparavel
máquina fotografica e no meio disto,
há sempre alguma coisa que ficou.
Mês de Agosto, mês das férias.



Período aguardado com muita ansiedade!!!
Alguns preferem programas mais tranquilos
como ver bom cinema, ir a espetáculos;
há sempre aqueles festivais de verão, ou arraiais…
outros preferem mesmo é curtir o sol na praia,
regressar ao pôr-do-sol, exaustos, pele queimada...
nada que um belo duche não resolva;
À noite passear nequelas ruas
apenhadas de gente desconhecida,
onde artistas e malabaristas, cantam, dançam,
pintam e mostram habilidades que nas praças da cidade
num canto qualquer, fazem a felicidade
e o encanto de grandes e pequenos,
inspira-se felicidade, sentimo-nos bem.
Depois, veem aquelas canequinhas
na esplanada com umas gambas...
poucas... que isto não dá para esticar;
aquelas festinhas da mini no bar da praia,
"beba tres e pague duas"... e quando menos
se espera, aparecem aventuras que veem do nada...
depois de uma noite algo confusa, uma ressaca.
Enfim, férias; opss!!!! já acabaram
é o regresso; o que é bom acaba!!!
Ai... e aquela malta que se chega ao pé de nós,
olham de alto a baixo e depois perguntam...
“então, já foste à praia?” vens queimadinho!!!
Perante a resposta afirmativa,
vem então a verdadeira conversa da treta...
fui por aqui, vim pela secundária,
há um novo traçado, não se apanham bichas...
comi ali, bebi além, conheci um casal
muito porreiro; pediu-nos para tomar conta das toalhas
e ficamos amigos.. "até já os convidei p'ra
passarem por cá porque isto é uma beleza"!!!
(o tal casal amigo).
Tudo val para fugir à rotina.
Faz parte, é saudável; faz bem saír, nem que seja
só para ir virar a Peniche,
comer uma caldeirada e voltar.
Há sempre uma história para contar!!!



Ai as férias...

(J.B.)